domingo, 15 de novembro de 2015

Haikai lembrete

Coração está frio?
Calma, quem é a lama
pra matar a alma de um rio...

Refazendo a frase

- Nossa esperança virou água,
já era.
- Nossa esperança virou água?
Quem dera!

sábado, 14 de novembro de 2015

Uma flor-peixe na lama

Um mar de lama invadiu o rio.
Um rio de lama invadiu os peixes.
Peixes cheios de lama invadiram
imagens e fotos,
viraram fósseis
e sem força, não prosseguiram a viagem
com o rio de lama,
que invadiu o oceano.

E o ser humano,
setenta por cento água no corpo,
ficou com os dias secos,
enquanto nasciam córregos
nos olhos.

E agora?
Como vou irrigar o peito?
Só há um jeito:
é eu me tornar
cem por cento rio.

Fazer do barro
uma estância.
E ver brotar no meio da lama
de morte,
o resultado de um enxerto estranho:
meio flor, meio peixe.

E debaixo do sol quente,
no coração trincado,
vai correr um fiozinho:
meio sangue, meio esperança enlamaçada.
Que no fim, vai virar água:
fria, doce, tratada.

Último desejo

No leito de morte,
fez o rio o último pedido:
- quero voltar a viver.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Questão de geografia

Calor dos infernos?
Mas, não é no céu
que fica o sol?

Haikai de mar e rio

Parto que o pariu!
O mar nasceu do porto
ou é filho do rio?

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Os mandachuvas

A luz forte manda fechar os olhos.
A escuridão manda sonhar.

Cotidianos mandam dar o fora.
O coração manda ficar.

A paixão manda prender.
O amor manda soltar.

domingo, 25 de outubro de 2015

Hai kai condicional

Mar, chame o rio
Rio, chame a chuva
Ela não vem, você não vai.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Tentativas de hai kai

A chuva em linha reta
e um verso sobe
à cabeça do poeta.

O verso sobe
á cabeça do poeta
e um hai kai no papel.

Chove na cabeça
do poeta
e um hai kai no papel.

Um hai kai no papel
e o verso sobe
á cabeça do poeta.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Linha do tempo

Onde está a linha do tempo?
Quanto é o tempo da linha?
E agora, o que faço?
Dou um tempo pra linha?
Dou linha ao tempo?
Ou fico mais um tempo fora da linha?

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Semeadura

Fazia planos de se soltar do chão.
Mas, que fosse um voo
que germinasse e se formasse aos poucos,
feito grão.

Por isso, alimentou a terra
com sementes
de dente-de-leão.

Tinha o desejo de brotar
e desaparecer no ar
de repente.

Foi assim que decidiu
entrar numa bolha
 de sabão

E de explosão em explosão,
ficou transparente.

E de grão em grão,
o pássaro se eternizou em semente.

Teoria da evolução

Semente
é uma esperança que voa.

Pássaro
é uma semente que explode.

Árvore
nasce de dentro do pássaro
quando o ovo eclode.


quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Livro sagrado

Uns têm  Bíblia.
Outros, Alcorão.
Eu fico aqui,
com o meu Grande Sertão.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Minhas Nossas Senhoras de Lourdes

Minha primeira professora
se chama Lourdes.
É a minha mãe.

Minha segunda mãe
também se chama Lourdes
e foi minha primeira professora.


quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Anjo do sul no norte

A menina já sabe voar.
e foi ver de perto
uma parte
do norte do continente.

Viu castelo de fadas
e no museu de cera,
muita gente,
que quase de verdade era.

À noite,
avenidas iluminadas;
e misturas de cheiros
no dia quente.

Viu golfinhos brincantes,
águas dançantes.
Foi ao parque,
foi ao baile,
foi à ópera,
comprou coisas,
enquanto distribuía
alegria que tinha pra dar e vender.

No andar 102,
quis arranhar o céu,
mas viu que algo
já havia furado as nuvens
e fotografou terra e chuva gêmeas.

Gostou de tudo.
Até das maçãs sem sabor
e das bananas com gosto de nada.

E só porque ela já sabe voar,
o primeiro avião não quis
trazer a menina de volta.

Mas, porque ela sabe voar,
foi ao norte
e para nossa sorte,
sempre soube voltar
para casa no sul,
batendo as asas de leve

na madrugada azul.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Cantada da noite negra

O dia sente na pele
o anoitecer.
Acontece que
a cor tece
com pigmentos
de beleza, tristeza e prazer.
E nesse mosaico,
pouco importa o que a pintura
quer dizer.
Mas, quando a lua clara
faz brilhar a pele escura,
fica fácil de entender:
é um convite da noite negra
para com ela, eu me perder.

sábado, 18 de abril de 2015

Normalzinho

Corpo de homem,
ele ainda não tem.
Mas, tem alma de artista,
cabeça de vento
e tempestade no temperamento.
O rosto também
tem gosto pela brisa suave
e o olhar direto, reto,
sinceridade
sem entrave.
Cadê ele?
Já esteve.
Vive voando,
porque tem asas na imaginação
e já foi parar no mundo da lua,
a bordo de um barquinho de papel.
Ele é doce
e tem pés de moleque.
Doidinho.
Normalzinho nele,
só o coração,
que é coração de menino mesmo.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Minha poesia nua

Minha poesia não é
minha.
Talvez,
seja manha,
quando amanhece estranha.

E passa o dia
sem dar sinal.

Quando anoitece,
ela foge
e de madrugada,
reage,
como se quisesse conversa..

Minha poesia
não é pose,
nem rito..
Nem chega
a ser um grito.

Minha poesia não é posse.
No máximo,
um riso,
um espirro,
uma tosse.

Minha poesia
não é minha.
Minha poesia sua
de cansaço,
de ansiedade,
de saudade.

Minha poesia
sua
ao sol,
Minha poesia
sem sal.
Pelo menos,
ao coração,
não faz mal.


Um carnaval para sempre

Eu sou um menino. Tenho 12 anos.Num domingo de carnaval, logo pela manhã, meu pai me fala:
- meu filho, hoje vamos à rua à noite, ver o carnaval.
Até então, eu estava acostumado a ir com o meu pai à missa aos domingos (às sete ou às nove da manhã) e a velórios (sim, meu pai fazia questão de marcar presença, de cumprimentar os parentes, de cumprir o ritual das despedidas).De maneira, que o convite para ir ao carnaval me soa como a possibilidade de um programa diferente. Por volta das sete da noite, chegamos à Avenida Raul Soares. Em 1980, não há horário de verão.. A rua ganhou uns postes extras de iluminação, intercalados com postes, de onde pendem enfeites carnavalescos, de isopor, muito coloridos, impactantes.A calçada da avenida está tomada pelo público. Apenas uma corda separa os assistentes e a passarela do samba. Muitas crianças assentam no meio fio, ao pé dos pais ou dos avós. A primeira aparição de um bloco carnavalesco na minha vida é um acontecimento do qual nunca mais vou me esquecer: umas cinquenta pessoas, homens e mulheres, vestidas com túnicas brancas, grandes chapéus. Alguns foliões, com mamadeiras na mão, outros com chupeta na boca, alguns batendo lata, com pandeiros ou tamborins na mão. Era a Banda Branca. No ar, um cheiro, que eu não demoro muito a perceber que é cerveja. O gosto, vou sentir só alguns anos mais tarde. A seguir, sem muito intervalo, surgem na avenida, as mulinhas. São umas cinco. A fantasia é composta de homens enfiados numa geringonça, que imita o corpo de um jumento ou uma mula. Um enchimento de cada lado simula pernas e pés calçados com sapatos ou botas. O que dá a impressão de que realmente, os cavaleiros estão montados nas mulas e não "dentro" delas. As mulas são uma espécie de comissão de frente do cordão Flor do Abacate. Logo atrás das mulas, vem a nega maluca, uma personagem no estilo bonecões de Olinda. A nega maluca faz reverências à plateia, empina o peito, rodopia sem cessar pela avenida. O povo aplaude Dona Zica, que é quem comanda o bloco. E vêm os instrumentos de percussão, a velha guarda, as damas. O Flor do Abacate passa, eu observo a fisionomia de meu pai, ele me olha com ar de cumplicidade. Eu já sabia: o que estou vivendo chama-se felicidade. Mas, agora fogos anunciam a entrada da primeira escola de samba. Impossível não ficar de queixo caído com tanto brilho e tanto vermelho e branco. Abdalinha e Jorge Elias soltam a voz:
- O povo vem cantando, a Estrela vem surgindo, pedindo passagem, com o coração sorrindo...Viva o São Francisco, viva Iemanjá; viva a Estrela que brilha na Terra, no céu e no mar.
Diante de mim, passam a ala das baianas, a ala dos capoeiristas, mestre-sala e porta-bandeira, a bateria e os carros alegóricos. Neste ano, a Estrela trouxe uma cachoeira para representar o Rio São Francisco. Nesta noite, o mecanismo que iria fazer jorrar água de verdade não funciona. Ficou para a terça-feira, quando as escolas retornam à avenida. Mas, o domingo ainda reserva o desfile de mais uma escola de samba. Na comissão de frente, homens vestidos com um fraque verde, grandes cartolas pretas. A noite, agora, é toda verde e branca. Formigão, o puxador de samba, pega o microfone:
- Alô, minha nação verde e branco! Olhe o Pinguim aí, pisando firme na avenida!
O mundo do circo está todo ali: malabaristas, acrobatas, bailarinas, mágicos, bichos. Uma ala, em especial, me faz arregalar os olhos: é a ala dos palhaços. Samba no pé e coreografia bem marcada. Sou um menino de doze anos. Essas imagens não vão mais sair da minha cabeça. Volto pra casa cantando:: - "O palhaço trapalhão, chega fazendo caretas, piruetas pelo chão! O palhaço trapalhão, chega fazendo caretas, piruetas pelo chão!"
De vez em quando, os dois refrões se misturam: - Viva o São Francisco, viva Iemanjá, viva a Estrela, que brilha na Terra, no céu e no mar e o palhaço trapalhão, chega fazendo caretas, piruetas pelo chão.' Em 1980, em Manhumirim, é assim: o povo vem cantando, Banda Branca, Flor do Abacate, Estrela e Pinguim vêm surgindo, e eu fico pra sempre, com o coração sorrindo.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Meia idade

Homem de meia idade.
Um jovem meio antigo,
um velho meio moderno.

Com a bagagem
de um santo,
que já flertou com o inferno.

Roteiro para um escritor

Fazer uma oração
aos pés da letra,
e me entregar de corpo
e alma nas mãos da palavra.

Sussurrar na orelha
de um livro,
fixar o olhar
nos olhos da frase.

Andar de braço dado
com a poesia,
carregar nos ombros
o peso de desejar a leveza do texto
e dar de ombros à pobreza da rima
fácil.

Mergulhar de cabeça
na prosa desordenada,
beber pronomes insubordinados
e sem funções.

Por fim, flertar
com a boca do inferno,
ver o céu escorrer por
entre os dedos
pra fora da margem no papel.

Deixar a mensagem
sair de casa,
a pé ou com asa,
direto ao coração da língua.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Receita para um dia de verão

Bolinho de chuva,
banho de lua,
pegue a carne de sol.

Banana da terra,
canário da terra,
quebre a espingarda de sal.

Nuvem chumbo,
barro branco,
Pedra Negra.

Vento azul,
Rio Doce,
ovo estrelado,
lua de mel.

domingo, 11 de janeiro de 2015

Feriado mineiro

Entornar um rio no copo
pra se somar
ao oceano que compõe o corpo.

Contornar o colar de montanhas
bem guardado na alma

Compreender o calafrio gerado
no calor das entranhas
e a calma que emerge
do desespero das quedas d'água.

Compensações do dia e da noite

Tudo bem, eu sei
que o céu sem sol
é mesmo sem sal.

Sei que no fundo
do mar salgado,
moram estrelas.
Só que pra quem não sabe
nadar, falta degrau.

Mas, é possível rir
no raso,
ao lembrar que
daqui a pouco,
doces estrelas molhadas
vão aparecer no céu sem sal.

Quem sou eu

Minha foto
Na rádio, sou o narrador de futebol, Carlos Augusto. Na TV, sou o repórter e apresentador Carlos Albuquerque. Aqui, neste blog, pretendo resolver essa "crise de identidade" e juntar os dois "Carlos"! Mas, no fundo, sou aprendiz, eternamente aprendiz! Sou filho da terra, de todas as terras que formam o planeta, de todas as substâncias que formam o universo. Sou irmão de todos os seres. Sou o pai da Luíza.