domingo, 23 de janeiro de 2011

Fui

Fui lá fora
olhar as nuvens

Elas ainda
estavam

Fui às fotos
olhar os
jovens

éramos
vários retratos
num só

fui aos fatos
procurar
sentido

fui aos
sentidos
procurar encontros

domingo, 16 de janeiro de 2011

Papéis de registros

O diário
não conta a história
do dia inteiro

O sonho
não é a imagem
completa
da noite

no por-do-sol,
cabe sim
toda a tarde
com seus suspiros,
cansaços
e descanso

A agenda
marca a hora
para respirar fundo

para me dar conta
do raso
do riso
das quedas de humor
das revoltas do mar
das reviravoltas
do que ainda vem
e do que não adianta
mais esperar

sábado, 15 de janeiro de 2011

O caminho na pedra

No meio da pedra
havia um caminho

brotava um rio
de dentro da pedra

por fora da pedra
havia um risco
quase um desenho

e traços
feitos pela água
nas costas da pedra

figuras trabalhadas
em milhões de anos
pela paciência da água

a pedra
era a mãe do rio
e tinha uma beleza
filha do esmero
do fio d'água

no peito da pedra
havia um corte,
ferimento feito por um raio
disparado à queima-roupa

um dia
o poeta achou
a pedra
no meio do caminho

a pedra
o rio
o caminho
o raio
o traço
o corte
o desenho
a poesia

tudo
é risco

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Água doida

Estou
nordeste
de sede

mas
suporto
bem o calor

nem me
queimo
na chama trêmula
de ultrapassadas ideias

é apenas uma
vela esquecida
não é fogo grande

não me
afogo
nesse jogo

porque
não é um
vale de lágrimas

é só um
córrego
formado
pelo leite derramado

meu coração
às vezes
sabe de tudo

noutras vezes
nada

nada
e ele sim

morre afogado
num copo
d'água

ao lado da dentadura
da velha paixão caduca

estou um deserto
de ideias

mas nada que impeça
o esboço
de uma poesia maluca.

Democrata/GV no Rio

O Democrata fez, hoje,
o segundo amistoso
no Rio de Janeiro.

Perdeu de 4 a 3
do Madureira.

Mas, hoje,
a Pantera jogou
com a escalação
de jogadores reservas.

Chegou a estar
à frente no placar:
2 a 1.

Mas, ainda
no primeiro tempo,
tomou a virada.

No segundo tempo,
empatou o jogo.

Mas, já no finzinho,
tomou o quarto gol.

Laio,
Glaydson
e Amílton
fizeram os gols do Democrata.

Domingo, o
último amistoso
no Ri0:

no Engenhão,
contra o Botafogo.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Rio e BH

O Democrata de Governador Valadares
foi para o Rio de Janeiro.

Vai fazer amistosos
com o Fluminense,
campeão brasileiro,
com o Madureira
e com o Botafogo,
o atual parceiro.

O América de Teófilo Otoni
foi para BH.
Faz parte da pré-temporada
na Toca da Raposa 1.

Dois times do interior
de Minas sentindo o gostinho
de treinar
onde treinam os grandes,
de usar uma estrutura
ainda distante
da realidade de
um futebol feito
ainda na base do
esforço individual
de pessoas que não
querem deixar a tradição
morrer.

Tanto em Governador Valadares,
como em Teófilo Otoni,
é assim.
A cada ano,
fica a expectativa:
será que Democrata e
América vão ter recursos
para disputar o campeonato.

E o segundo semestre?
Vão fechar o departamento
profissional
ou vão colocar o time
em alguma competição?

Por enquanto,
a única resposta
que temos
é esta:

Democrata e América
de Teófilo Otoni
começaram muito bem
o ano.

Que seja eterno
enquanto dure.

sábado, 8 de janeiro de 2011

Democrata/GV e América de Teófilo Otoni

Governador Valadares e Teófilo Otoni.
Duas cidades e algo em comum:
a paixão pelo futebol.

Aos domingos,
às 10h da manhã,
o Estádio Nassri Mattar
costuma ser uma festa só:
faça chuva
ou faça sol,
lá está a animada torcida
alvi-rubra
a empurrar o dragão
para cima dos adversários.

Aos domingos,
às quartas,
ou às segundas,
como vai voltar a ser,
em 2011,
as noites no Mammoud Abbas
também são barulhentas.

Das arquibancadas
metálicas
vem um batuque marcado,
vem um coral bem ensaiado:
é a torcida Pantera-cor-de-raça.
Um grito que emociona
e arrebata.

No dia 31 de janeiro,
Democrata e América
se encontram no Mammoud Abbas.

As duas equipes
estão fazendo a pré-temporada.

Na sexta-feira, o Democrata
goleou o Fluminense de Cuparaque
por 9 X 0.

O América também fez
amistoso.
Ganhou por 2 X 0.
O jogo treino foi na
Toca da Raposa 1.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Vinho tinto

Preciso beber vinho
não exatamente
para ficar tonto

prefiro ficar tinto

um estado de embriaguês
em que não se perde
o passo
nem se esquece o endereço

não se perde a razão
nem se esquece a paixão

Aliás,
quando fico tinto,
revivo todas as paixões

tenho até medo
de umas e outras
pensem que as
autorizei renascer

quando estou tinto,
não tenho medo de falar
porque nesse caso,
quem fala não é boca
nem cérebro

quando me deixo
ficar tinto,
dou leves risadas
ao ver meu coração
mergulhado no cálice

ou num copo no boteco
da esquina

não há problema se o vinho é
barato
ou vinho branco

o que importa
é que me deixe tinto.

Quem sou eu

Minha foto
Na rádio, sou o narrador de futebol, Carlos Augusto. Na TV, sou o repórter e apresentador Carlos Albuquerque. Aqui, neste blog, pretendo resolver essa "crise de identidade" e juntar os dois "Carlos"! Mas, no fundo, sou aprendiz, eternamente aprendiz! Sou filho da terra, de todas as terras que formam o planeta, de todas as substâncias que formam o universo. Sou irmão de todos os seres. Sou o pai da Luíza.