sexta-feira, 5 de julho de 2013

Esquadrão anti-bomba

Sempre achou que coração
fosse uma bomba relógio.
Por isso, toda vez que alguém provocava
uma pulsação desenfreada,
ele cuidava de desarmar
o artefato no peito.

Já estava especialista
em desfazer conexões
que fossem além de uma atração física.
Nada de química.
No máximo, sensações biológicas.

Até que um dia,
se perdeu entre suores
e espasmos corporais.
Começou a confundir
cansaço com satisfação,
desejo com adoração,
encontro marcado
com desespero cronometrado
segundo a segundo.

Vigilante atento,
não foi surpreendido pela paixão
à primeira vista.
Mas, quando deu por si,
já era ao mesmo tempo
sujeito e objeto de uma conquista.

Continuava a achar que coração
era uma bomba relógio.
Seria mais seguro ter um desarmado,
mais sensato um órgão desalmado.
Mas, agora era tarde:
a bomba estava ali, no colo.
Ele chegou a ouvir a explosão.
Voou pelos ares.

Desde então, passa os dias aos pedaços.
Já sabe que talvez nunca mais volte a ser inteiro.
Pelo menos, provou cientificamente
que não existe essa história de cara metade.
Descobriu, sem querer,
que a felicidade é um quebra-cabeças.
E o prazer está em procurar as peças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto
Na rádio, sou o narrador de futebol, Carlos Augusto. Na TV, sou o repórter e apresentador Carlos Albuquerque. Aqui, neste blog, pretendo resolver essa "crise de identidade" e juntar os dois "Carlos"! Mas, no fundo, sou aprendiz, eternamente aprendiz! Sou filho da terra, de todas as terras que formam o planeta, de todas as substâncias que formam o universo. Sou irmão de todos os seres. Sou o pai da Luíza.